Eco Teatro e seus Personagens.

O AMOR DOS ANIMAIS

Estamos nos referindo aos trabalhos que acontecem numa casa cultural, chamada carinhosamente de ECOTEATRO VERY GOOD, localizada na avenida Bento Munhoz Munhoz da Rocha Neto, bairro Parque Agari. Espaço cultural onde pessoas e animais se encontram, preferencialmente aos sábados, para conhecer os projetos que ali estão sendo desenvolvidos, visitar a feira de artesanato, e assistir as apresentações de teatro .
É a filantropia e a cultura se encontrando, e se unindo como gotas que escorrem das pedras. Um mistério profundo. Descobriram que, de mãos dadas, unidas por um só objetivo, “ O AMOR “, se transformaram num poderoso rio. Rio que leva vidas às pessoas, rio que ilumina e ajuda milhões de humanos e diversas espécies do planeta. Rio que leva sorte para muitos, com a sua passagem. Rio que corre sozinho ao encontro das outras águas, de outras vidas, mas sempre com o mesmo pensamento e com o mesmo DEUS.

OS ANIMAIS
A corujita gosta muito de observar o que acontece ao seu redor, e nas horas de folga, aproveita para fazer uma visita no cantinho da leitura. Personagem do ECOTEATRO, e como todos os animais, construídos de materiais reciclados. Sua filosofia é muito simples: pensar, pensar e pensar.

Outro personagem é o louro bicudo, um papagaio que fala muito, é convencido, não sabe que as pessoas não vivem somente de papo, e sim de obras e ações positivas. Devemos falar menos e trabalhar mais.

A natalícia é uma gazela também construída de materiais reciclados, e; como todos outros animais, trabalha muito, principalmente no NATAL, puxando o trenó do papai Noel ( evento realizado todos os anos e direcionado à classe dos selecionadores de materiais reciclados – chamados carinhosamente de catadores ).

A recivaca é a vaca mimada. É a recepcionista dos outros animais, que vão até o pet do Ecoteatro para tomarem seus banhos, e se transformarem, através dos trabalhos de tosa que ali acontece.
A girafita é a única que só consegue comer os frutos que ficam nas partes mais altas das árvores. Ela sempre tem sorte, os melhores frutos ficam para ela. E por ter tanta sorte na vida, sempre foi cobiçada. Ainda bem que ela é simples e humilde. Também é muito brincalhona, tem uma grande facilidade em fazer amizades. É muito bom conversar com a girafita.
Eis que, repentinamente, surge na avenida um camelito aparentando muita tristeza. A recivaca, por sua vez estava na frente do Ecoteatro, e, muito solidária, abordou o camelito, perguntando se ele queria água? O mesmo respondeu que queria, pois estava muito cansado. A recivaca lhe deu água e lhe ofereceu abrigo. O camelito muito triste disse que sua mãe chamava-se Camila e estava à sua procura. O camelito pediu um pouco de comida para a recivaca, e a mesma respondeu: aqui nós não temos ouro nem prata, mas o que temos repartimos com todos, pois “O AMOR”, ainda é o maior dos mandamentos. Camila, a mãe do camelito, sempre foi muito apaixonada por camilo, pois ele, foi o seu primeiro beijo, o seu primeiro e único namorado, ou seja; o seu primeiro e inesquecível amor. Ela se entregou de corpo e alma ao seu primeiro amor. O camelito foi a primeira flor desse jardim chamado paixão. Após seu nascimento, o relacionamento de seus pais começou a entrar em fase de desavenças. Era uma mistura de ciúmes, posse e sentimento de perda, pois camilo era muito namorador, e camila muito fiél ao casamento. As brigas eram tantas que o camelito resolveu sair de casa. Se arrependeu, entretanto, estava feliz por conhecer outros animais do Ecoteatro. Passou a data comemorativa ao dia das mães e o camelito não conseguia disfarçar um sentimento profundo chamado saudade materna. A recivaca falou ao camelito que o choro poderia durar a noite inteira, mas a alegria viria pela manhã. Eis que numa manhã ensolarada, se aproximou do Ecoteatro, sua mãe camila. A recivaca, como boa anfitriã, levou camila para conhecer o Ecoteatro.
Como pedras que rolam e um dia sempre se encontram, como gotas que se unem formando um só rio, aconteceu o encontro de mãe e filha. Foi emocionante. Prantos e lágrimas, tristezas e alegrias se misturavam. Os outros animais choravam juntos. Foi uma das maiores emoções que já vivi, disse a girafita.
Entretanto, camila ainda não realizou seu sonho na sua plenitude. Ainda espera uma conspiração do Universo: a volta de seu primeiro, único e insubstituível amor.

Autor do texto – Ricardo Godoy dos Santos

Nenhum comentário:

1º EcoTeatro do Brasil